Sala de Imprensa

22/02/2022

Lubrificação das cruzetas garante bom funcionamento do eixo cardan do caminhão, ônibus e picape

Lubrificação das cruzetas garante bom funcionamento do eixo cardan do caminhão, ônibus e picape

Localizadas nas extremidades do eixo cardan, as cruzetas, responsáveis por transmitir o torque para o diferencial em ângulos variados e fundamentais para que o veículo, especialmente, os caminhões, ônibus e picapes, se movimentem, requerem alguns cuidados na hora da manutenção. “A lubrificação adequada e periódica é o principal fator para o bom funcionamento do mecanismo do eixo cardan e para que as cruzetas não sofram desgaste prematuro”, afirma Edson Vieira Santos, assistente técnico da Nakata, alertando para a utilização da graxa indicada para a lubrificação das cruzetas – à base de sabão de lítio EP2, resistente à pressão extrema com grau de consistência 2, específica para elevadas temperaturas.

Segundo Vieira, a graxa deve ser substituída e, em hipótese alguma completada, e precisa ser inserida dentro da peça com a eliminação total da graxa antiga, até sair limpa pelos quatro pontos da cruzeta.

Intervalos de lubrificação dependem do tipo de uso

A recomendação é que a lubrificação e manutenção das cruzetas sejam feitas pelo tipo de uso – veículos rodoviários a cada 20 mil km ou 2 meses, o que ocorrer primeiro; urbanos a cada 10 mil km ou 1 mês e os de utilização severa, ou seja, que tenha muito contato com agentes abrasivos como terra, semanalmente. “Situações, como enchentes, sujeiras, vias com buracos, resultam em menor durabilidade, bem como sobrecarga, que exige mais do cardan, podem reduzir a vida útil ou até mesmo ocasionar a quebra”, explica. Em contrapartida, dirigir de forma adequada e não  brusca, com trocas de marchas no momento correto podem ajudar a garantir a durabilidade.

 Sinais de desgaste

Os motoristas devem ficar atentos também aos sinais de desgaste das cruzetas, entre eles, ruídos provenientes do eixo cardan, folgas e vibrações, caso a cruzeta se rompa, o veículo ficará sem tração e ocorrerá parada inesperada”, adverte Vieira, acrescentando que ainda pode danificar outros componentes.

 Com relação ao torque aplicado, ele ressalta que em excesso ou insuficiente pode provocar quebra da abraçadeira e queda da cruzeta.

Sobre a Nakata Automotiva – Há mais de 65 anos, a Nakata Automotiva, fabricante de autopeças para o mercado de reposição para veículos leves, pesados e motocicletas, recentemente adquirida pela Fras-le, líder global em materiais de fricção e componentes para sistemas de freios, pertencente às Empresas Randon, vem construindo sua história de sucesso no Brasil, com liderança em componentes de suspensão e amplo portfólio em direção, transmissão, freios e motopeças. Com pioneirismo, qualidade e compromisso com o mercado, a Nakata Automotiva se tornou reconhecida no aftermarket pela alta performance de seus produtos e elevado padrão de serviços.

A empresa atende o mercado nacional e exportação. Fazendo parte da Fras-le que fornece materiais de fricção originais para 95% das montadoras de veículos pesados e semipesados, além de ser líder no mercado de reposição e comercializar seus produtos em 120 países, a Nakata fortalece ainda mais a sua presença no mercado.

 

Mais informações:
Verso Comunicação e Assessoria de Imprensa
Jornalista responsável – Majô Gonçalves – MTB 24.475
versocomunicacao@uol.com.br
Solange Suzigan
versocomunicacao1@uol.com.br
(11) 4102-2000/ 99905-7008

www.versoassessoriadeimprensa.com.br
https://www.facebook.com/verso.assessoria